Sem dúvida alguma o flamenco é um dos ícones que representam a Espanha perante o resto do mundo, no entanto os que vivem aqui sabem que se trata de uma arte puramente andaluza, que só é possível desfrutá-la em todo o seu esplendor visitando o lugar adequado.

Por isso, se o que buscamos é mergulhar nas raízes do cante, do baile e da guitarra flamencas, não há melhor destino que Cádis, a província que nos presenteou com artistas da dimensão de Rocío Jurado, Paco de Lucía ou, como comentávamos há unas semanas, Camarón de la Isla.

Se quisermos encontrar o coração do flamenco, a resposta pode ser encontrada em Jerez de la Frontera. Batizada de “Cidade dos Ciganos” por Federico García Lorca, Jerez é considerada o Berço da Arte Flamenca, e não faltam razões, pois ela sozinha ostenta a honra de ter sido o lugar de nascimento de Lola Flores, José Mercé, Manuel Torre, La Paquera y Moraíto, isso só para citar alguns nomes.

Jerez de la Frontera é puro flamenco, e sabe disso. Por isso, a cidade propõe uma ampla oferta de itinerários temáticos e atividades relacionadas com este Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. No Centro Andaluz de Flamenco, dedicado à conservação, investigação e difusão desta arte, encontramos restaurantes com ambiente flamenco, tablados e grupos de amigos flamencos onde desfrutar dos melhores espetáculos e, evidentemente, programações especializadas entre as quais se destaca o Festival de Jerez, que todos os anos enche de alegria e duende (magia) cada cantinho da cidade.

Tudo isso no âmbito de uma cidade castiça com um patrimônio cultural e monumental inabarcável em forma de palácios, igrejas e museus. E se isso fosse pouco, há anos a prefeitura briga para levar a bom termo a Cidade do Flamenco, um projeto que quando se materializar fará de Jerez a capital indiscutível desta expressão artística.

Se tivermos dias disponíveis não podemos deixar de completar nossa viagem a Jerez com uma rota pela costa Atlântica, pontilhada de praias de areia branca e interessantes municípios como Chiclana, Conil, Barbate, Zahara de los Atunes e por último, Tarifa: a localidade espanhola mais próxima da costa de Marrocos, em cujo cabo as águas do Oceano Atlântico se encontram com as do Mar Mediterrâneo.

Para desfrutar do flamenco em Cádis, uma boa opção é alojar-se em qualquer um dos dois hotéis que a Iberostar Hotels & Resorts tem em Chiclana de la Frontera, Cádis.